quinta-feira, 23 de junho de 2011

Chegas á ponta do meu nariz








" Chegas á ponta do meu nariz "
E ali no meio daquela rua já escura,
estava eu de salto alto,
quase tocando a minha boca na tua!

E o que fiz?..
Nada, ora essa!
Que havia uma promessa,
que tinha que se cumprir!

E olhamo-nos nos olhos,
e eu sentia o teu respirar,
teus braços a me abraçar,
e uma enorme vontade de beijar!

"não tenhas medo,
deixa-te levar,
prometo-te, vais gostar"
e como eu me queria deixar levar....

"Chegas á ponta do meu nariz,
mas eu já te poderia beijar"
E sorrimos, e rimos,
e ficámos só pelo desejo,
de um beijo,
mais profundo que o do olhar,
mais forte que o verbo amar!

"Sabes, este momento, aqui contigo, foi já mais que perfeito"

Foi perfeito e por isso, eu nunca o esqueci....

1 comentário:

Fernanda disse...

Olá Dana!

Vim expressamente agradecer o seu comentário lá no Rau. Obrigada por ter entendido claramente a minha intenção. Fico feliz.

Li este seu poema de uma beleza e pureza ímpar. Lembrou-me o tempo em que o rosto sorria, assim mesmo... como num grito de vida.

Lindo.

Beijinho